doce...

doce...

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Sombrio Domingo

Seu copo está vazio, mais uma vez Billie Holiday embala sua solidão.
Já é madrugada, mais um domingo sombrio a espera, fazem quatro anos desde a última noite de amor entre os dois, lágrimas se misturavam aos beijos e ambos sabiam que o fim era inevitável.
Ela se levanta e caminha até a janela, a cortina se balança levemente com a brisa fria do outono, abril é sempre melancólico por conta da despedida.
A saudade ferve em suas veias, transpira por seus poros, ela que era tão esfuziante se fechou em concha depois dos últimos momentos.
Mais um gole, ela olha para garrafa que está vazia, decide sair para respirar, a cidade está viva, cheia de pessoas fugazes em busca de prazer rápido, ela não, só quer vê-lo mais uma vez.
Entre tantos bares e botequins ela entra no mais escuro, não quer que ninguém veja o seu sofrimento.
Senta-se elegantemente com seu jeans apertado, pede qualquer coisa forte, o barista sorri e faz charme, mas os olhos grandes do outro lado só querem o olhar daquele que se foi.
Gloomy Sunday é interpretada por uma cantora desconhecida, a fumaça e a penumbra traz uma aura de mistério que a conforta.
Entre um gole e outro ela olha furtivamente ao seu redor, como se por um milagre ele se materializasse apenas sentindo o desejo do corpo dela.
Não naquela madrugada, ou em outra, nunca mais se amariam outra vez, era mais um domingo sombrio e ela sozinha iria beber e sonhar com aquele que um dia foi seu, e agora assombra sua memória.




* conto inspirado na música de Billie Holiday.